Caixa Arquetípica Rainha Esther - Arquétipo da Força

Caixa Arquetípica Rainha Esther - Arquétipo da Força

Reservada. Modesta. Quieta. Humilde. Autocontrolada. Oculta.

Estes adjetivos provavelmente não evocam imagens de uma heroína. Eles não parecem descrever o tipo de pessoa que colocaria sua vida em risco por outras, uma figura pública, uma entidade política, e uma pessoa de controle e poder. Mas são. Estas são as palavras que melhor descrevem a Rainha Esther, uma mulher cujo corpo, mente, alma e ações afetaram a realidade e mudaram o mundo. Saiba mais sobre a Rainha Esther logo abaixo.

 

Caixa Ritualística Arquetípica Rainha Esther contém os seguintes produtos, todos energizados com os aspectos positivos do arquétipo:

  • Banho Ressonante Rainha Esther
  • Escalda-Pés Arquetípico
  • Sabonete em Conexão com o Arquétipo
  • Mel Energizado
  • Chá para fortalecer a conexão com o Divino.
  • Elixir para despertar a autoconfiança.
  • Água Floral com Cristais
  • Spray Ambiente para integrar a ressonância
  • Creme Corporal para absorver a energia do Arquétipo
  • Livro do Arquétipo
  • Objeto ou Arte do Arquétipo

 

(O livro do arquétipo pode ser novo ou, dependendo da disponibilidade, semi-novo adquirido em sebos especializados de confiança)

 

A VERSÃO MINI da Caixa Ritualística Arquetípica Rainha Esther contém:

  • Banho Ressonante Rainha Esther
  • Escalda-Pés Arquetípico
  • Sabonete em Conexão com o Arquétipo
  • Chá para fortalecer a conexão com o Divino.
  • Água Floral com Cristais
  • Creme Corporal para absorver a energia do Arquétipo

 

 

• Mais sobre a Rainha Esther:

 

Embora Esther tivesse ajuda e apoio de Mordechai para lutar contra o decreto que visava a destruir os judeus, foi Esther quem conseguiu implementar o plano e quem teve a visão e percepção de saber como aquilo tinha de ser feito. E foi ela quem insistiu para que a história de Purim fosse escrita e lida, ano após ano, pois ela sabia que sua relevância ao povo judeu seria sempre pertinente. É por isso que a Meguilá, o "Rolo de Esther", que tornou-se parte da Torá e que é lida durante o feriado de Purim, recebeu o seu nome.

 

Esther foi feita rainha contra sua vontade. Ela foi escolhida por sua excepcional beleza e mesmo assim, foi aquilo que o rei não viu que o atraiu a ela. A ex-rainha, Vashti, foi uma mulher que chamava a atenção para si exibindo seu corpo despido nas festas reais. Mesmo que seu corpo fosse atraente, esta era sua única qualidade positiva. Quando ela foi incapaz de exibir sua beleza devido a um horrível eczema e bolhas na pele, ela nada teve a mostrar por si mesma, e em sua recusa a pavonear-se, não apenas perdeu sua posição como rainha, mas também sua vida.

 

Esther supostamente foi escolhida como rainha por causa da sua beleza exterior, porém os comentaristas escrevem que foi milagroso ela ser considerada atraente, pois sua aparência física na verdade era bem pouco lisonjeira. O Talmud nos diz que Esther possuía uma pele esverdeada, mas tinha um "quê gracioso" em si (Talmud, Meguilá, 13a). Aprendemos que quando alguém é elevado e belo interiormente, isso transparece ao seu exterior, e pode ser visto como beleza. Este é um dos principais temas em todo o texto de Eshet Chayil, "Uma Mulher de Valor" de Provérbios (Mishlê), que nos ensina: " O encanto é enganoso e a beleza é vã; mas uma mulher que teme a D'us – ela deve ser louvada." 

 

Embora Vashti possa ter estado na capa de todas as revistas, foi Esther que estava por trás dos bastidores sendo a mulher que estava realmente mudando o mundo. Esther exemplificou a declaração: “Kol k'vudá bat melech penimá, "A verdadeira honra da princesa está no seu íntimo." A palavra para "íntimo", penimá, é a mesma para penimiut, o interior, a maquiagem espiritual da pessoa. Esta é Esther. Através do entendimento do verdadeiro significado de estar escondida, ela revelou uma mensagem ao povo judeu que permanecerá para sempre.

 

 

    R$ 680,00Preço